Avançar para o conteúdo principal

Caminhada do Forte do Guincho ao Cabo da Roca

O trilho que une o Forte do Guincho ao Cabo da Roca é um clássico das caminhadas nos arredores de Lisboa.


Não há organização (empresas, associações, grupos informais, et, etc) que não o tenha feito.
É um trilho fabuloso, daqueles que não nos cansamos de repetir e que tem os seus encantos próprios dependendo da época do ano em que o percorremos.
Lembro-me perfeitamente da primeira vez que o fiz, foi em Junho de 2000, o dia mais quente desse ano … bom, até pode não ter sido mas foi a sensação que tive nessa altura.
Do Forte do Guincho ao Cabo da Roca são 8Km com 830m de desnivel positivo. Naturalmente o comprimento e o desnível do dependem sempre de qual o percurso exato que façamos, dado que ao longo do traçado existem muitas opções.
Map-Guincho-Cape-Roca
Sendo um percurso de travessia tem sempre o problema do regresso ao ponto de partida e aí começam a surgir as pequenas complicações, os carros de um lado para trazer os condutores, o autocarro às horas estranhas, o táxi e acredito que um conjunto de outras alternativas já se colocaram.
Há sempre a possibilidade de regressar caminhando, já que a paisagem será totalmente diferente. O regresso é como um novo percurso.
Atenção que depende sempre do grupo em que estamos inseridos já que só o percurso para um dos lados pode ser considerado como de dificuldade moderada o que fazendo-o para ambos os lados já o poderemos classificar de difícil.
Seja como for, de uma maneira ou de outra, é um trilho que o faço sempre de cara alegre e que seguramente em breve irei repetir.
Carpe diem.
David Monteiro
Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Cascata da Ribeira Grande, Ilha das Flores, Portugal

De Santa Cruz das Flores para a Fajã Grande, uma imensa cascata, a Cascata da Ribeira Grande. Estava na Ilhas das Flores, Açores, de férias e, ao contrário do resto do ano, não queria caminhar nem fazer qualquer tipo de atividade física. Queria usufruir do local dado que atividade física já a tenho durante o resto do ano. Mas há dois dias que chovia torrencialmente e fazia um mau tempo muito caraterístico da tipologia de surpresas que os Açores nos pode oferecer. O tempo estava tão mau que as ligações de e para as Flores foram cortadas e ficámos sem poder ir passar uns quantos dias à ilha do Corvo. Também caraterístico dos Açores é a rapidez com que tudo muda pelo que de repente o sol apareceu como se nada tivesse acontecido e toda a vida seguiu em frente, mas a revisita à ilha do Corvo acabou por ter que ficar para outra altura já que era tempo de seguir para o destino seguinte, a Fajã Grande.
No caminho de Santa Cruz das Flores para a Fajã Grande houve algo que nos interrompeu a vi…

Qual é o seu vinho do Porto favorito?

Há quem diga que todos temos um vinho do Porto favorito e, quem acha que não gosta é porque nunca os provou todos. Ver o artigo em aqui

Arquitetura Mudejar em Teruel, Espanha

Arquitetura mudejar é Património da Humanidade classificado pela UNESCO e Teruel é uma das cidades onde é melhor representada.
Em 711 DC os mouros atravessaram aquele que é hoje conhecido como o Estreito de Gibraltar e em cerca de 15 anos tinham conquistado toda a Península Ibérica salvo alguns redutos cristão como foi o caso de Covadonga. Naturalmente que esta ocupação trouxe alterações profundas à civilização visigótica que anteriormente ocupava este território. Hoje em dia podemos visitar monumentos impressionantes como seja o Alhambra ou a Mesquita de Córdoba que são magníficos exemplos de estilos trazidos por esta nova cultura. Esta ocupação durou cerca de 700 anos, se contarmos o tempo entre a Batalha de Guadalete entre 19 e 26 de Julho de 711 e a Guerra de Granada que dura entre 1482 e 1492 e definitivamente põe fim à ocupação muçulmana. Após a invasão moura dá-se início ao processo da Reconquista por parte do povo visigodo que talvez tenha começado em 722 com a rebelião de Pe…