Avançar para o conteúdo principal

Subir o Pico com ou sem guia?

A resposta a esta pergunta é capaz de não agradar a muitos caminheiros.

Para qualquer português/portuguesa praticante de caminhada, montanhismo ou algo do género, chega sempre o momento em que pensa subir o Pico, é inevitável.
Esta imensa montanha que dá nome à ilha, também domina a paisagem das ilhas a seu redor quer seja de São Jorge e Faial como também da mais longínqua Graciosa. Naturalmente que estou a referir a vista que temos dos ângulos onde se encara o Pico desde as referidas ilhas.
Vi pela primeira vez o Pico em 1987 quando cumpria o serviço militar na Armada Portuguesa e aproximava-me da ilha a bordo da fragata NRP João Belo.
De longe, ao ver uma ilha que flutuava num mar de nuvens não conseguia compreender o que se passava. Há que lembrar que nessa altura ainda não havia o acesso que temos hoje em dia a informação sobre os locais para onde vamos, ou seja não havia Google onde ver fotografias, ler críticas e ver fotos sobre o Pico e a sua montanha, o recurso a bibliografia era mais difícil e todo o processo de consulta era muito mais lento e demorado.
A ilha parece que flutua porque o manto de nuvens que ali estaciona não é tão alto como a montanha e esta sobressai ficando como que flutuasse. É uma imagem que não se esquece.
“Adorava ir lá acima” foi o que pensei na altura mas que tardou mais de 20 anos a cumprir.
Quando desejei subir o Pico já praticava algumas atividades de montanha mas enquanto passavam as mais de duas décadas, angariei muita experiência que foi complementada com um leque de formações específicas e relevantes de forma sistemática.
Liderei várias ascensões de sucesso ao Pico e durante esses momentos tive oportunidade de falar com muitos guias locais, e não só, sobre o “comportamento” da montanha, sobre a quantidade de gente que sobe a montanha e sobre o quanto a maioria das pessoas que fazem esta ascensão estão ou não preparadas para reagir aos potenciais problemas que aqui podem ocorrer.
É normal que o leitor pense “é lógico que este gajo venha aqui defender a contratação destes serviços”. Se pensa isso engana-se e até considero esse raciocínio como falta de imaginação, seria uma resposta fácil demais.
Com o aparecimento e disseminação do uso dos aparelhos de GPS e smartphones com essas capacidades, qualquer caminheiro iniciante rapidamente é induzido, por esta potencial mas aparente facilidade, a fazer o que talvez não esteja preparado que é começar a aventurar-se para estes locais sem apoio de alguém mais experiente sendo guia ou algum caminheiro com mais formação.
Tudo toma uma dimensão ainda mais gravosa quando o dito inexperiente começa a arrastar consigo outros ainda menos experientes.
A ascensão ao Pico, ou mais propriamente ao Piquinho, em relação a um(a) caminheiro(a) algo experiente não apresenta dificuldade de maior enquanto o estado do tempo for favorável. Aliás, o(a) caminheiro(a) encontrará apoio na Casa da Montanha (*) e marcas no caminho que facilitam a ascensão.
Porém, quando o nevoeiro se abate sobre a montanha tudo pode mudar de figura. As marcas de regresso deixam de estar visíveis e há zonas em que a dispersão de trilhos podem levar a zonas com risco potencial.
Qualquer grupo que vai iniciar a subida ao Pico (*) é convidado a passar pela Casa da Montanha onde é registado e munido de um rádio/GPS que comunica com uma central para monitorização dos grupos que fazem a ascensão e, tal como referido, ao longo do caminho há um conjunto de pequenos postes de sinalização do trilho até à base do vulcão.
Agora peço que pensem comigo: esta estrutura de apoio aos caminheiros não tem paralelo em Portugal e não sendo os portugueses de deitar fora os seus parcos recursos então é porque há uma grande razão para haver toda esta estrutura disponível, é porque há riscos potenciais e não são facilmente detectáveis na ascensão ao Pico.
Pois é, o Pico acorda descoberto mas frequentemente ao final da manhã cobre-se com as nuvens que dão o aspecto tão característico que se vê desde o mar ou de outras ilhas mas que estando ali dentro não se vê um palmo à frente do nariz, ou melhor dizendo, só se vê uns poucos metros à nossa frente.
Vale a pena poupar uns trocos não pagando a um guia/empresa e por isso pôr em risco o bem estar dos que nos acompanham e daqueles que mais tarde poderão ter que ir em nossa ajuda?
Não tenho resposta para si porque só dependerá da sua consciência.
Isto é um apelo a que visite a fabulosa ilha do Pico e a sua majestosa montanha mas em segurança, invista na sua própria formação, conheça melhor as suas capacidades e decida de forma capaz.
David Monteiro
(*) Link importante com informação oficial sobre a Casa da Montanha e Regulamento de Subida à Montanha
Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Cascata da Ribeira Grande, Ilha das Flores, Portugal

De Santa Cruz das Flores para a Fajã Grande, uma imensa cascata, a Cascata da Ribeira Grande. Estava na Ilhas das Flores, Açores, de férias e, ao contrário do resto do ano, não queria caminhar nem fazer qualquer tipo de atividade física. Queria usufruir do local dado que atividade física já a tenho durante o resto do ano. Mas há dois dias que chovia torrencialmente e fazia um mau tempo muito caraterístico da tipologia de surpresas que os Açores nos pode oferecer. O tempo estava tão mau que as ligações de e para as Flores foram cortadas e ficámos sem poder ir passar uns quantos dias à ilha do Corvo. Também caraterístico dos Açores é a rapidez com que tudo muda pelo que de repente o sol apareceu como se nada tivesse acontecido e toda a vida seguiu em frente, mas a revisita à ilha do Corvo acabou por ter que ficar para outra altura já que era tempo de seguir para o destino seguinte, a Fajã Grande.
No caminho de Santa Cruz das Flores para a Fajã Grande houve algo que nos interrompeu a vi…

Qual é o seu vinho do Porto favorito?

Há quem diga que todos temos um vinho do Porto favorito e, quem acha que não gosta é porque nunca os provou todos. Ver o artigo em aqui

Arquitetura Mudejar em Teruel, Espanha

Arquitetura mudejar é Património da Humanidade classificado pela UNESCO e Teruel é uma das cidades onde é melhor representada.
Em 711 DC os mouros atravessaram aquele que é hoje conhecido como o Estreito de Gibraltar e em cerca de 15 anos tinham conquistado toda a Península Ibérica salvo alguns redutos cristão como foi o caso de Covadonga. Naturalmente que esta ocupação trouxe alterações profundas à civilização visigótica que anteriormente ocupava este território. Hoje em dia podemos visitar monumentos impressionantes como seja o Alhambra ou a Mesquita de Córdoba que são magníficos exemplos de estilos trazidos por esta nova cultura. Esta ocupação durou cerca de 700 anos, se contarmos o tempo entre a Batalha de Guadalete entre 19 e 26 de Julho de 711 e a Guerra de Granada que dura entre 1482 e 1492 e definitivamente põe fim à ocupação muçulmana. Após a invasão moura dá-se início ao processo da Reconquista por parte do povo visigodo que talvez tenha começado em 722 com a rebelião de Pe…