Avançar para o conteúdo principal

Via ferrata Les Baumes Corcades, Espanha

Classificada como K4, num máximo de K6 na Escala de Hüsler, ou seja Difícil, esta via ferrata localiza-se perto de Centelles, província de Barcelona, Espanha.


É uma via ferrata sobejamente conhecida pela sua ponte tirolesa/himalaia de cabos paralelos com 68m de comprido a cerca de 25m de altura, para além de outros obstáculos muito interessantes tal como alguns passos subprumados - palavra utilizada na gíria da escalada mas que não se encontra no dicionário da língua portuguesa e que se refere a uma parede com inclinação que se assemelha a um teto, ou quase.
A certo dia eu liderava a atividade onde levava dois escaladores comigo.
Os dois escaladores eram pouco experientes e sabia que teria que montar segurança de top-rope em alguns locais. Sabia também que um dos escaladores iria optar por contornar os obstáculos mais difíceis por se sentir pouco à vontade nessas situações.
O dia seguia com a sua excitação e adrenalina próprias. O pequeno grupo estava delirante e tudo corria muito bem como planeado.
Ainda não consigo descrever o meu espanto quando após dobrar uma esquina vejo uma rapariga pendurada numa corda.
Instantes antes eu tinha ido à frente para montar segurança para um dos escaladores e por saber que imediatamente a seguir viria outra parede subprumada, continuei à frente.
Foi neste contexto que a seguir à curva vi a dita moça pendurada que chorava e tremia literalmente apavorada e o escalador que me seguia tirou a foto que podem ver.
O que se estava a passar?   Simples de explicar.
O companheiro da moça, vendo que esta não conseguia ultrapassar a “barriga” que estava por cima das nossas cabeças, subiu primeiro e foi montar a dita segurança de top-rope. Até aqui tudo bem.
Acontece porém que ainda assim a rapariga não conseguiu ultrapassar a dita “barriga” e acabou por ficar suspensa pela corda a uns 60 ou 70m do solo.
Mais tarde vim a saber que a corda que estava a ser utilizada era uma corda dinâmica de uso em single com 60m.BaumesCorcades-002---Espana
Nem a rapariga conseguia subir, nem havia corda suficiente para a fazer chegar ao solo, o companheiro não sabia fazer a manobra correta para a ascender e é aqui mesmo que reside o problema pois esta seria a solução.
Depois de a acalmar o quanto possível acabei por a colocar em ombros e ascender à força de braços pela parede. Naturalmente que já tinha percebido que o companheiro sabia tirar a folga da corda cada vez que era aliviado peso da rapariga.
O caso acabou por ter um desfecho positivo sem dramas de maior, o que é o melhor de tudo.
"Vem, és capaz, aquilo é fácil"
Todos nós temos ou já tivemos um amigo que insistiu para participarmos numa atividade para qual estávamos inseguros sobre a nossa capacidade ou até tínhamos alguma certeza de não estarmos preparados.
É curioso ver a imensa frequência com que ocorrem estas situações e é mais curioso ainda ver que apesar das inúmeras histórias destas que acabam mal ainda assim há quem alinhe.
Sabendo isto, e é um cenário conhecido, porque será que alguém alinha nisto ou porque será que alguém insiste com outro para este tipo de aventuras?
Ninguém é santo e eu seguramente não o sou.
Não sei qual o equilíbrio entre a insistência e o incentivo mas o que quero deixar aqui é a necessidade de reflexão sobre este assunto.
Soluções são várias. Entre frequentar uma formação específica ou contratar serviços profissionais qualquer uma opção é preferível a meter-se em problemas.
Boas aventuras em segurança.
David Monteiro

Mensagens populares deste blogue

Cascata da Ribeira Grande, Ilha das Flores, Portugal

De Santa Cruz das Flores para a Fajã Grande, uma imensa cascata, a Cascata da Ribeira Grande. Estava na Ilhas das Flores, Açores, de férias e, ao contrário do resto do ano, não queria caminhar nem fazer qualquer tipo de atividade física. Queria usufruir do local dado que atividade física já a tenho durante o resto do ano. Mas há dois dias que chovia torrencialmente e fazia um mau tempo muito caraterístico da tipologia de surpresas que os Açores nos pode oferecer. O tempo estava tão mau que as ligações de e para as Flores foram cortadas e ficámos sem poder ir passar uns quantos dias à ilha do Corvo. Também caraterístico dos Açores é a rapidez com que tudo muda pelo que de repente o sol apareceu como se nada tivesse acontecido e toda a vida seguiu em frente, mas a revisita à ilha do Corvo acabou por ter que ficar para outra altura já que era tempo de seguir para o destino seguinte, a Fajã Grande.
No caminho de Santa Cruz das Flores para a Fajã Grande houve algo que nos interrompeu a vi…

Qual é o seu vinho do Porto favorito?

Há quem diga que todos temos um vinho do Porto favorito e, quem acha que não gosta é porque nunca os provou todos. Ver o artigo em aqui

Arquitetura Mudejar em Teruel, Espanha

Arquitetura mudejar é Património da Humanidade classificado pela UNESCO e Teruel é uma das cidades onde é melhor representada.
Em 711 DC os mouros atravessaram aquele que é hoje conhecido como o Estreito de Gibraltar e em cerca de 15 anos tinham conquistado toda a Península Ibérica salvo alguns redutos cristão como foi o caso de Covadonga. Naturalmente que esta ocupação trouxe alterações profundas à civilização visigótica que anteriormente ocupava este território. Hoje em dia podemos visitar monumentos impressionantes como seja o Alhambra ou a Mesquita de Córdoba que são magníficos exemplos de estilos trazidos por esta nova cultura. Esta ocupação durou cerca de 700 anos, se contarmos o tempo entre a Batalha de Guadalete entre 19 e 26 de Julho de 711 e a Guerra de Granada que dura entre 1482 e 1492 e definitivamente põe fim à ocupação muçulmana. Após a invasão moura dá-se início ao processo da Reconquista por parte do povo visigodo que talvez tenha começado em 722 com a rebelião de Pe…