Avançar para o conteúdo principal

Regressar e fotografar São Vicente, Cabo Verde

Regressar e fotografar São Vicente, Cabo Verde

Mindelo, a capital de São Vicente, é fotogénica, tem uma luz fantástica e cores muito contrastantes.

Passei muito tempo sem ir a São Vicente, a minha terra natal de onde saí há muitos anos e onde só voltei um par de vezes durante a adolescência.
Regressar foi uma torrente de emoções positivas, uma viagem que começou com o recolher de cartografia, leitura de livros e relatos de viagens que ficavam aquém das expetativas mas que me davam informações muito úteis.
É fácil calcular que muita expetativa minha sobre São Vicente só poderia dar em alguma desilusão, é normal mas não necessariamente negativo porque também da frustração surge a força de explorar novos ângulos ou procurar o que é verdadeiramente bom em cada local em vez de procurar no local o que nós já pensamos ser bom.
Rever os familiares foi o objetivo óbvio e o que mais tinha certo de ser cumprido mas o que fazer para além disso? Caminhar, andar de bicicleta … ou simplesmente usufruir da paisagem e dos lugares?
Claro que deve estar a pensar: “Então e a gastronomia? A cachupa etc etc” … “E o grogue e o ponche?” … é lógico que tudo isso terá o seu lugar próprio e de destaque mas não agora.
A dita desilusão não tardou em aparecer em forma de edifícios por terminar e tijolos entremeados com cimento. Um cenário que é uma doença que a cidade tem que resolver porque esta enfermidade, por si só, poderá vir a ter consequências nefastas no turismo da ilha.
Ao ver este postal terceiro mundista vemos o feio e o turismo persegue o bonito.
De entre as atividades possíveis e que gosto de fazer, tentei andar de bicicleta mas não encontrei onde pudesse alugar algum equipamento razoável e por isso desisti da ideia.
Caminhar era sempre uma boa possibilidade, afinal de contas é a atividade mais versátil que existe. Mas haverá algum trilho que me possa encher as medidas?
As descrições que li não eram muito empolgantes e isso deixou-me na retranca. Ainda assim, houve um trilho que me fez levantar o sobrolho e que mais tarde se revelou espetacular.
A maior surpresa sobre o que fazer revelou-se na minha cidade.
Mindelo, a capital da ilha, é fotogénica, tem uma luz fantástica e cores muito contrastantes.
Com isto não quero dizer que existam muitas oportunidades de fotografias de pessoas com olhos esbugalhados ou com turbantes exóticos, quadros fotográficos que comparo à muito reproduzida pintura do menino com a lágrima no olho. Há inclusivamente o problema dos edifícios inacabados que são horríveis.
Então o que captar?
Os azuis do mar contra o negro da rocha vulcânica ou os rudimentares botes coloridos retratam bem algumas realidades locais e o cair do dia revela que a cidade se vai expandindo para outros horizontes da baía do Mindelo riscando o enquadramento com pontos de luz.
Dentro da tipologia de fotografia que mais gosto tinha encontrado os meus temas.
Para mim, acima da caminhada ou passeios de bicicleta, foi a fotografia que imperou em São Vicente e que nos trilhos mais emblemáticos tal como o percurso que nos leva da praia de São Pedro ao Farol D. Amélia teve o seu auge de encanto.
O suave cair da noite fez as minhas delícias e quero agradecer ao meu cunhado Aires Almeida ter-me criado a oportunidade de registar a minha cidade de um spot fantástico.
Vai a São Vicente? Leve a máquina fotográfica.
Bem-haja,
David Monteiro

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Cascata da Ribeira Grande, Ilha das Flores, Portugal

De Santa Cruz das Flores para a Fajã Grande, uma imensa cascata, a Cascata da Ribeira Grande. Estava na Ilhas das Flores, Açores, de férias e, ao contrário do resto do ano, não queria caminhar nem fazer qualquer tipo de atividade física. Queria usufruir do local dado que atividade física já a tenho durante o resto do ano. Mas há dois dias que chovia torrencialmente e fazia um mau tempo muito caraterístico da tipologia de surpresas que os Açores nos pode oferecer. O tempo estava tão mau que as ligações de e para as Flores foram cortadas e ficámos sem poder ir passar uns quantos dias à ilha do Corvo. Também caraterístico dos Açores é a rapidez com que tudo muda pelo que de repente o sol apareceu como se nada tivesse acontecido e toda a vida seguiu em frente, mas a revisita à ilha do Corvo acabou por ter que ficar para outra altura já que era tempo de seguir para o destino seguinte, a Fajã Grande.
No caminho de Santa Cruz das Flores para a Fajã Grande houve algo que nos interrompeu a vi…

Estátua do Neptuno passeando-se em Lisboa

De repente percebo que a estátua do Neptuno passeou-se mais em Lisboa do que eu imaginava.O início desta história nada tem a ver com o final e menos ainda com o meio por isso vamos lá começar a pôr ordem na casa. Início da históriaHá uns dias uma amiga publicou numa rede social uma fotografia da estátua do Neptuno que está no Largo D. Estefânia. Ao ver a fotografia que foi amavelmente feito com um telemóvel percebi que a dita não podia fazer justiça à beleza da estátua que foi recentemente recuperada. Ainda assim, deu para perceber que finalmente a fonte estava novamente iluminada após um largo período de recuperação. Antes que possa ser vandalizada e enquanto está limpa é a altura perfeita para tirar um par de retratos. Claro que também foi um excelente motivo de convívio com um amigo fotógrafo que aceitou o desafio de imediato e fez o favor de me acompanhar na tarefa. Após lanchar e esperar um pouco para que o cair do dia se fizesse anunciar, começamos a montar o equipamento e num ápice…

2017 07 01 - Trekking no Parque Nacional de Aigüestortes

Trekking no Parque Nacional de Aigüestortes (Carros de Foc) , Pirenéus, Espanha Carros de Foc, um dos mais espetaculares percursos de trekking dos Pirenéus, com cerca de 200 lagos e cumes que rondam os 3000m de altutide e, ainda assim, de dificuldade moderada.
Partida: 1 de Julho, 2017 - Chegada: 7 de Julho, 2017 Data limite de inscrição: 15 de Maio de 2017
Local de partida e chegada: Barcelona, Espanha O Parque Nacional de Aigüestortes O Parque Nacional de Aigüestortes localiza-se na zona central dos Pirenéus e é o único Parque Nacional situado na Catalunha dividindo o seu território entre as comarcas de Vall d’Aran, Pallars Sobirá, Alta Ribagorça e Pallars Jussà, cerca de 200km’s a oeste de Andorra.
Criado em 1955 cobre hoje em dia uma área de aproximadamente 40.000 hectares considerando as zonas periféricas protegidas e é um espaço natural de extrema beleza em que os elementos água e granito aparecem no seu máximo esplendor em combinações surpreendentes.
Com uma elevada concentração de …