sexta-feira, 30 de dezembro de 2016

Trekking na zona do Lago Negro, Pirenéus, Espanha

Uma das rotas de trekking em Aigüestortes, Catalunha, passa pelo Lago Negro (Lac Negre) onde estas fotografias foram conseguidas.


Uma paisagem pode ficar na nossa memória por muitas razões. Por ser uma paisagem extraordinária é, naturalmente, uma das razões mas no caso do Lac Negre há outras razões que ainda ando a tentar encontrar.
O Lac Negre (Lago Negro) é um dos 200 lagos do Parque Nacional de Aigüestortes, na Catalunha, localiza-se aqui e faz parte de uma rota de trekking onde costumo ir com clientes.
O nome do lago associa-se com a sua cor negra provocada por uns limos, a cor escura do granito e pelo facto de não ter luz que o clareie.
O local mais próximo para estacionar o carro e aceder ao lago é a Barragem de Cavallers aqui desde onde parte um trilho que bordeia a margem direita do rio em sentido ascendente.
Ao lado do lago há um refúgio de montanha que pode ser utilizado para passar a noite ou simplesmente tomar uma cerveja depois da caminhada, é o Refúgio Ventosa i Calvell.
O melhor momento para fotografar este local é o nascer do sol. Não sendo uma novidade para fotógrafos, ajuda a decidir se estamos indecisos entre o nascer ou por-do-sol que torna toda a paisagem um pouco "flat".
Estando em tour com clientes, não é o meu momento de fotografar pelo que nunca disponho de muito tempo e, o ter que acordar assim tão cedo é sempre penalizador para o resto do dia porque fico cansado mais cedo mas neste caso vale a pena.
Durante alguns anos passei aqui exatamente na mesma altura do ano, início de Junho quando abrem os refúgios e a paisagem é tão diferente de ano para ano que nem parece o mesmo local.
Mochila às costas e vamos lá :)
David Monteiro

quinta-feira, 29 de dezembro de 2016

Caminhando entre Lagos e Burgau

A costa algarvia é formada por areia compacta. Claro que sei esta é uma forma tosca de fazer referência a esta formação rochosa mas dou mais vantagem à explicação desta caminhada entre Lagos e Burgau.


Esta areia de cor amarelada combina na perfeição com as restantes cores quentes da paisagem. É como se fosse um quadro em que o artista nos quer transportar para finais de dia de verão mas com toda a perfeição que só a Natureza consegue.
O trilho de 15Km que liga Lagos a Burgau segue sempre pela costa, sem grande desnível, é excelente como caminhada tranquila.
Para além de uma paisagem de mar fantástica, nesta caminhada há outros atrativos tal como:
  • Farol da Ponta da Piedade em Lagos;
  • As grutas na Ponta da Piedade;
  • As ruínas romanas da Praia da Luz;
  • A vista de mar das arribas.
No entanto, há algo que é curioso de observar: poucos são os portugueses que encontraremos a caminhar ao longo de todo o percurso.
Confesso que sempre olhei para a costa algarvia sem ver qualquer interesse para caminhar, a minha cabeça estava sempre em montanhas que apresentavam algum tipo de dificuldade.
Tive que conduzir um grupo alargado de caminhantes ingleses por estes trilho, aproveitei para conhecer com detalhe a costa do Barlavento algarvio e adorei, daí que irei repetir estas caminhadas quando tiver oportunidade.
À travessia do Algarve em bicicleta que já faço com regularidade agora junto um grupo de caminhadas fabulosas ao portfolio.
Boa caminhada.
David Monteiro

quarta-feira, 28 de dezembro de 2016

Viagens em grupo são como vinho e amigos.

As vivências partilhadas, tal como nas viagens em grupo, têm um lugar especial nos nossos corações, têm uma casa própria.


A casa é tão especial que para aceder a essas memórias na sua totalidade necessitamos do molho de chaves que possuímos em conjunto com aqueles que connosco viveram essas experiências.
Podemos recordar essas experiências sozinhos no conforto dos nossos lares, partilhar essas fotografias num blog e até contar essas experiências a outros amigos que nos ouvem e ficam encantados com as nossas aventuras mas nunca é a mesma coisa, o nosso coração não bate tão forte.
Mas quando nos reunimos com quem vivemos esses dias de glória vemos que esses amigos têm chaves que abrem outras portas da mesma casa e é aí que conseguimos aceder à memória na sua plenitude e o sol entra casa a dentro iluminando todos os recantos.
Um bom vinho será sempre um bom vinho mas é muito melhor quando partilhado com amigos e assim são as viagens que partilhamos com amigos.
Carpe diem.
David Monteiro

terça-feira, 27 de dezembro de 2016

Caminhando e fotografando nos Picos da Europa, Espanha

Dá-me especial prazer escrever e fotografar caminhadas que normalmente não são mencionadas em livros e revistas de viagens. É como descobrir um pequeno mundo e partilha-lo.

São raras as menções que vi em livros e revistas sobre o percurso de Bulnes la villa até Sotres o que é pena porque é um trajeto que para mim tem um encanto peculiar: dá-nos a oportunidade de três fotografias paisagísticas fabulosas … bom, oportunidade é uma coisa, conseguir as fotos que queremos é outro assunto. No meu caso, estando com clientes não é o meu momento pelo que ainda terei que aqui voltar sozinho especificamente para fotografar.
O percurso tem 9,5 Km de distância com um desnível positivo acumulado de 850 m e 450 m de descidas. Portando um percurso moderado em termos de dificuldade física.
Começamos a caminhar em Bulnes la villa e é aqui mesmo que surge a primeira oportunidade de fotografia.
Map Bulnes to Sotres
1ª fotografia – Pernoitar em Bulnes la villa e ao cair da noite acendem-se as luzes desta pequena localidade … atenção, escurece mesmo muito rápido porque as montanhas vão bloquear a luz do sol … o cenário é tremendo … a partir daqui é contigo, só dou a ideia :)
2ª fotografia – Ao final da grande subida em direção a Sotres teremos o Naranjo de Bulnes ao lado direito, majestoso maciço calcário com os seus 2519 m. A meio do dia é quando está melhor iluminado, a cor dourada que se vê em algumas fotografias é melhor conseguida de outro local e será tema de outro texto.
3ª fotografia – Quase a chegar a Sotres encontramos Moyeyeres, um "invernadero", um conjunto de pequenas edificações destinadas a resguardar o gado durante o inverno. De longe parece uma aldeia mas quando nos aproximamos vemos que não pode ser para uso humano.
Ficam as sugestões de fotografia e eu continuarei a procurar os momentos perfeitos para as fazer.
Divirtam-se.
David Monteiro